Olivia Munn atiça os fãs com divulgação de parte do "possível" uniforme da Psylocke


Bryan Singer, diretor de X-Men: Apocalypse, recentemente divulgou adição de Olivia Munn como Betsy "Psylocke" Braddock para elenco do filme, e parece que a atriz entrou nas brincadeiras do diretor, e postou uma foto para atiçar os fãs.

Após o anúncio, Munn postou a foto abaixo em seu Instagram.

Parece que Olivia está se divertindo com seus fãs, mas quem sabe se este tipo de spandex poderemos chegar a ver no filme? Há alguns anos atrás, Psylocke foi redesenhado nos quadrinhos, pelo artista Kris Anka, ostentando um novo visual.
Psylocke foi criada por Chris Claremont e Herb Trimpe em 1976, como irmã do Capitão Britânia. Mas sua entrada para valer nos títulos dos heróis mutantes foi no anual #2 dos Novos Mutantes. Nesta aventura, o grupo enfrenta os diabólicos Mojo e Espiral. Os vilões raptaram e controlaram vários heróis, como Psylocke (que ficou 1 ano sendo manipulada pelo vilão), Capitão Britânia, Mancha Solar e Lupina.
Os Novos Mutantes estavam levando a pior na batalha contra seus colegas e amigos, e quem salva a pátria é a dupla Cifra e Warlock, que unem suas habilidades e conseguem reverter o controle de Mojo sobre Psylocke e os demais. No final, Elizabeth Braddock decide ficar na Escola Xavier para aprender a usar melhor seus poderes psíquicos. A personagem, simplesmente, entrou no melhor momento da equipe mutante, depois teria volta do Mojo com X-BABIES, as Guerras Asgardianas com LOKI e, claro, confronto com DENTES-DE-SABRE... Tudo isso desenhado pelos magistrais ARTHUR ADAMS E ALAN DAVIS. Fora as situações bizarras que Claremont colocava a personagem com Cifra, que por fim ela saberia do seu trágico fim, morto por um tiro.

Sobre relação dela com Ciclope e Anjo? Pelo jeito, vamos descobrir no filme. E a origem dela, você pode ler nessa revista no sebo mais próximo de você.
A terceira edição de "Superalmanaque Marvel" foi publicada pela Editora Abril em julho de 1991 e reuniu seis edições anuais lançadas pela Marvel em 1986.

Comentários