A gente viu, Vingadores: Era de Ultron.



Eu tive uma visão, me lembrei de várias coisas, várias Hqs, coincidência? Sei lá talvez quem sabe, mas me lembrei e isso foi legal.

“Vingadores: Era de Ultron” é um verdadeiro quadrinho ganhando vida. É em escala similar ao primeiro filme. Tem muita referência bacana.

Vamos lá, me lembrei do “11 de Setembro” me lembrei de “Hulk 34” (editora abril) (principalmente a luta entre “Verônica” “Hulkbuster” e Hulk) coincidência ou não (de novo) o próprio personagem Arsenal (das Hqs)teve uma luta nos quadrinhos parecida (uma das avarias do robô é idêntica á sofrida por Hulkbuster no filme) “Verônica” (a estação de combate auxiliar de Tony) lembra a estação usada pelo personagem em “Supremos volume II”, falando nesta HQ, á família de Barton também aparece no filme.

(Observação: o próprio Ultron no desenho “Avengers Assemble” foi introduzido como “Arsenal”)

É incrível como Joss Whedon tenta (e quase consegue) contar tanta coisa e abrir tanta coisa ao mesmo tempo, (evolução de personagens, introdução de novos personagens e maneiras diferentes de contar a mesma coisa dos quadrinhos a anos sem parecer piegas ou disfuncional)

O filme peca (calma não me crucifiquem) falo isso pelos leigos que forem assistir, justamente pelo excesso de informação. Isso pra nós pode até não “dar em nada” mas fica complicado prum leigo (principalmente vendo o filme dublado, alguma coisa ou outra pode passar batida.)

Recomendo que seja visto esse filme duas vezes. (pra deleite da galera.) Não sei se foi escolha da fotografia ou azar da seção em que estive. Mas achei a “paleta de cores” de “Era de Ultron” mais escura que seus filmes anteriores. (o que compromete e muito na hora de “importar depois”)

Falando em evocação ás HQs; até mesmo a fase do Hulk de Bruce Jones eu senti um eco aqui nesta película (o arco em questão é quando morre uma criança num suposto soterramento de um ataque furioso do Hulk)

E mais: não sei se é porque eu li o maravilhoso primeiro volume de “Astro City” (de Kurt Busiek, premiado escritor de “Vingadores vol III”) você fica com a sensação em alguns momentos de que aquilo é verossímil.

A briga entre Homem de Ferro e Hulk pode ser debatida por anos e anos a fio, seja pela diversão ou seja pela dramaticidade posta na tela (civis correndo, carros rolando, foi a mesma emoção e sim, ISSO É UM ELOGIO. De ver Superman lutando contra Ursa, Zod e Non em “Superman II”)

Eu sou uma pessoa que como vocês (pelo menos a maioria sabem) assisti e assisto (coleciono) diversas animações de heróis. (não só Marvel e DC) e posso dizer com toda certeza que os caras leram, assistiram e esmiuçaram cada aparição de Ultron em HQ ou animação. De uma forma ou de outra está tudo lá.

A própria famigerada “Era de Ultron” acontece, mesmo que seja nos sonhos de alguém. O termo “viagem no tempo” é dito.

E na história funciona, e tomando carona nisso se o Whedon (a Marvel) ou os Irmãos Russo quiserem seguir esse plot (Beeeeeeeeeeeem mais adiante) aquele “Piti” que a Feiticeira Escarlate dá em dado momento do filme pode dar uma merda legal. (e render ótimos filmes. )

Mas isso é suposição minha, adorei o Hulk de Mark Ruffalo que como eu disse antes, a maioria dos personagens “sem casa” (sem filme” conseguiram se desenvolver mais e melhor. Destaque de ferro pro Gavião, Viúva e Hulk)

A Marvel se quiser pode até fazer um filme focando só nos três (seja do Hulk com os dois como coadjuvantes ou Vice versa) na própria animação “Earthest Mightiest” os três funcionavam bem juntos, repare nisso.

Uma coisa que me incomodou foi que ficou meio na cara que a presença do “Kick Ass” Mercúrio foi mais pra “cumprir agenda” mesmo, tipo um “fanservice” só pra cumprir certa cota do massavéio e ter uma (única) função vital no filme. (sem trocadilho galera.)

Outra coisa: a Marvel continua nessa tecla de que o Thor emburreceu. Não sei, parece que eles enxergam o personagem assim.

Uma surpresa grata por demais foi o Visão de Paul Bettany, eu sentia sono quando lia os quadrinhos onde aparecia ele falando. (imaginava aquela voz monótona de robô) e definitivamente: nasceu pra interpretá-lo.

Foi degrau após degrau... ele sempre esteve lá. Até mesmo sua primeira aparição meio “Eu Robô” (aquele filme medonho do Will Smith) ficou bacana... funcional.

Acredito (eu) que as piadinhas poderiam ser reduzidas... mas ok. É Disney, é pra galera... é um show, precisa ter riso. Isso dinamiza nas horas realmente divertidas (aquela luta entre Homem de Ferro e Hulk é linda demais)
E o que dizer do vilão da película? Realmente. Ultron está entre nós, voz perfeita, um sarcasmo nas atitudes que mesmo não tendo o visual “Máscara de Haloween” está tudo lá, o desprezo, o riso, o completo desapego á vida humana... um verdadeiro sociopata.

Adorei ele fazendo citações á Bíblia, “Sobre essa rocha erguerei a minha igreja” ou quando ele mesmo se compara á uma “praga bíblica” (“Pergunte a Noé”)

Até prevejo num futuro próximo comunidades do face do tipo “Frases de Ultron” ou “Ultron da Depressão”.

Este filme não me decepcionou, me representa e quero com certeza ter o Blu Ray em casa... e sim. Me sinto privilegiado de ter visto algo de “Ultron Ilimitado” (ou “Vingança de Ultron” como queiram) nas telas.

Até mesmo evoco “Guerras Secretas” (encontro entre Ultron e Garra Sônica) e com certeza podemos todos esperar um ótimo feedback no mundo Wakandiano Marvel.

É realmente uma pena que o Homem Aranha não apareça. (ainda.)

Mas senti até mesmo sementes da “Guerra Civil” sendo plantadas, (Era certo pensar em destruir Sokóvia? O que o governo americano cobrará dos Vingadores agora?)

E fica uma interessante (só pra descontrair) perguntinha: Quem é o mais virgem do Marvel universe até agora? (quem é o mais “jurão”???) Hulk ou o Capitão? Rsrsrsrsrsrs.


Nota 9.

Comentários