Eu não leio quadrinhos!


Uou! Você faz parte de um grande grupo! Já há um tempo notou como isso é extremamente comum, então achei que seria interessante fazer esse post como se fosse um "panfleto" com indicações para as tantas pessoas que não leem quadrinhos e talvez tenham algum interesse nisso.

Não só foi minha experiência própria, mas também já conheci várias pessoas que curtem quadrinhos e se sentem desmembradas quando gostam de algo, como "Pra quem eu vou recomendar isso? Meus amigos não leem quadrinhos!!!" Apesar de haver um pouco de preconceito, às vezes não é nem questão do conteúdo (afinal, são estórias), mas do costume com o formato, então vamos nos aprofundar nessa questão!


Já não é todo mundo que gosta de realmente LER, mas mesmo entre estes, acaba havendo um estranhamento com as pobres HQs, porque em algum momento nas suas infâncias o formato ficou diretamente vinculado à Turma da Mônica!!!

Acho que vi um...

Isso seria nem um pouco ruim, já que Turma da Mônica é super-legal, mas o problema é que as pessoas acham infantil, então se afastam enquanto tentam ser mais adultos e chatos... u.u

Segunda vez doutor, estou vendo isso várias vezes nos gibis infantis da Turma da Mônica...
Mas também não é uma constante. Com tantas adaptações de quadrinhos fazendo sucesso em games, desenhos, filmes e séries, várias pessoas tomam vontade de conhecer suas versões originais: os gibis! Mas raramente se apegam a isso porque....

EXISTEM GIBIS DEMAIS NO MUNDO!

Então você viu um filme do Homem-Aranha, pensou: "Legal, vou ler os gibis do Homem-Aranha", aí você vai na banca, compra um lá e se arrepende pro resto da vida porque consegue entender absolutamente nada que acontece na estória e desconhece metade dos personagens... Isso é atraente pra ninguém mesmo.

MALDITA CONTINUIDADE!

Aí talveeeeeez, se você quiser muuuuuuuito ler, você pode até ir procurar a primeira parte, afinal, como uma série de TV, se pegar de uma parte do meio você vai entender nada mesmo. Mas aí chega o terceiro problema que leva quase todos a desistirem................

ELES TEM DÉCADAS!



Resumindo, você nunca lerá todos os gibis, e com a quantidade que existe, você provavelmente nem quer! Mas apesar de tudo, gibis não são coisa de outro mundo! É muito comum ouvir alguém te perguntar "Mas você lê quadrinhos???". Como se não houvesse um multiverso de diferença entre ler Sin City e... Luluzinha. Por alguma razão as pessoas tratam os quadrinhos assim.

O mesmo rola também com animações e videogames. Meio que ninguém vira pra você e pergunta curiosa, ou às vezes espantada "Mas você vê fiiiiilmes???". Não! As pessoas perguntam: "Você vê filme DE-TERROR?", "Você vê filme POR-?", "Você vê filme DE-MÚSICA?". Mas quadrinho é como se fosse uma forma de entretenimento de outro planeta, aí ninguém tá acostumado mesmo. Por causa disso, o tio aqui resolveu separar esse post para fazer umas recomendações de gibis que ele julga muito bons, e perfeitos para quem está tentando pegar gosto com o meio.

Não adianta fazer essa cara. O senhor escreve coisa muito complexa, vai ficar de fora.
A ideia é sugerir quadrinhos com temas que costumam ser atraentes em diferentes mídias e também são bem executados nos quadrinhos. Mesmo quem já lê há muito tempo se confunde se for tentar pegar tudo, a forma mais popular que funciona comigo e vários amigos é... ir por autor! Mesmo que você escolha só um personagem; ele provavelmente vai estar envolvido em estórias de outros caras, super-eventos, aí lascou. Mas é bom pegar por autor, que aí você vai da primeira edição que ele escreveu, e procura seguir até o final. O cara dificilmente envolverá elementos de outras fases como essenciais pra entender a fase dele, então é algo que sempre funciona bem. Agora vamos às recomendações do titio joker!





Batman de Jeph Loeb


Apesar de ser um "super-herói", essas estórias do Batman são inegavelmente de investigação. E Nota A+. O foco é mistérios de assassinato e conspirações envolvendo as famílias criminosas de Gotham: os Falcone. É premiado e indispensável em qualquer coleção. Há uma grande teia de personagens envolvidos, as sequências de desenho são ótimas. A história pega um ponto bem intermediário da mitologia do Batman, sendo que mesmo ainda havendo introdução de vários elementos, a maior parte dos personagens já estão bem definidos. O primeiro é "Batman: O Longo Dia das Bruxas". 

Esse arco foi feito a partir da ideia de Jeph Loeb e o desenhista Tim Sale, que as versões dos personagens de Gotham City definidas por FRANK MILLER em "Batman: Ano Um" não podiam ficar simplesmente esquecidas. E com isso eles fizeram uma série que para muitos supera até Ano Um. TCHARAM! LONGO DIA DAS BRUXAS! 

Maaaaaaaaaaas, apesar da recomendação aqui ser Jeph Loeb, talvez você queira também dar uma conferida em "Ano Um".

Esses quadrinhos inspiraram muito dos filmes de maior sucesso do personagem, dirigidos por Christopher Nolan
As continuações de "Longo Dia das Bruxas" também foram imperdíveis, todas pela dupla Loeb&Sale: "Vitória Sombria", "Dia das Bruxas" e "Mulher-Gato: Cidade Eterna". Elas foram relançadas no Brasil em encadernados há pouco tempo, deve ser extremamente fácil de achar. Outro arco do Batman escrito por Loeb (mas esse com Jim Lee desenhando) foi "Silêncio", também de investigação e também disponível em forma de coletânea.



Demolidor de Frank Miller


Já falamos das estórias do Batman escritas por Loeb, com inspiração do Miller, agora vamos focar no grande mestre. A fase dele com o Demolidor é um dos maiores auges do artista. Assim como as estórias do Batman mencionadas anteriormente, essas sem dúvida seriam altamente apreciadas por qualquer fã de estórias envolvendo crimes e mistério. O Demolidor não tem taaaaaaantos personagens quanto o Batman, mas Miller usa todos eles muito bem, o Rei do Crime, por exemplo, surpreende bastante.


É uma fase beeeeeeeeem extensa, eu demorei muito pra ler tudo, mas passei longe de me arrepender. No Brasil isso saiu 500 anos atrás nas inesquecíveis revistas de "Heróis da TV", mas é muito véio; se você encontrar vai virar pó na sua mão, você vai ficar com alergia e começar a chorar. Há uma coleção em 3 volumes que cobre a maior parte dessa inesquecível fase, se chama "Daredevil Visionaires: Frank Miller". Aviso que cada volume é bem caro, mas se você quiser pegar as melhores mesmo, a Salvat lançou um livrinho muuuuuito bem feito custando coisa de 32 reais, "Demolidor: A Queda de Murdock". Acho que saiu ano passado, eu tenho o meu aqui comigo e não me arrependi. Ou melhor, eu não tenho. Um amigo meu pegou emprestado e ainda não devolveu. Acho que já é hora de ir pegar de volta.

Miller tem influências do lendário Will Eisner e contos orientais de filosofia ninja. O humor dos diálogos lembra muito o que Quentin Tarantino veio a fazer no futuro. Bem, o povo todo se apaixona pelas adaptações de Miller para o cinema com 300 e Sin City, pegar um quadrinho dele sempre será uma escolha certa. E falando em Sin City...

Sin City, de Frank Miller


Essa aqui deixo como único porém a grande violência. De resto... Sin City é outro tiro certo. Narrativa rápida e direta, o estilo sem erro do velho Miller. Sin City é meio que um universo que Miller criou, você pode encontrar coleções com diferentes estórias por aí (já relançaram várias), e todas são independentes. É idêntico ao filme de sucesso (cujo qual, o velho Miller até participou da produção), pode comprar sem medo que não tem como se arrepender. Só não tem a Eva Green...



100 Balas, de Brian Azzarello


As ruas sujas com sangue de gangsteres dos Estados Unidos. Um senhor de terno, agente Graves (túmulos), oferece uma maleta que contém uma arma com 100 Balas irrastreaveis e uma foto da pessoa responsável por destruir sua vida, junto com provas de que ela fez isso. Agora você tem sua chance de se vingar e sair limpo. Essa é a proposta que fica a frente da grande trama criminal que se desenvolve por trás em 100 BALAS!!!

A parte pesada de ler esse é se tratar de 100 edições. Mas veja só! Bem, 100 Balas é muito bom, me lembra séries de TV. Tem várias sub-estórias independentes, mas pra pegar tudo realmente, tá conectado. É uma viagem que vale a pena. Nunca saiu uma adaptação para as telas, apesar de ter sido, obviamente, considerado. Mas o escritor Azzarello disse que só aceitaria se ele pudesse escrever todo o roteiro (algo novo se passando no mesmo universo), é claro que não saiu. Afinal, sabemos que o que os produtores de cinema realmente querem é estuprar as obras originais e mostrar ao mundo enquanto dão risada; só que às vezes eles não conseguem. "100 Balas" é o tipo de sequência que discute escolhas o tempo inteiro, levando o leitor a se colocar no lugar dos personagens enquanto lê, o tipo de coisa que, creio eu, todo mundo curte.




Mulher-Maravilha de Brian Azzarello


Esse foi simplesmente o último arco da Mulher-Maravilha, e compete muito bem em ser o melhor. É um dos melhores reboots que já li, pois você pode simplesmente nunca ter lido um gibi da DC Comics na sua vida e ainda assim vai provavelmente amar. É direto e divertido. Também segue o estilo de Azzarello que lembra séries de TV, mas com bastante ficção e várias personagens femininas exploradas de forma digna. Incluindo a famosa... Mulher-Maravilha. É uma das melhores releituras atuais da Mitologia Grega.

Mulher-Maravilha em um show de Heavy Metal, consegue pensar em algo mais definitivo?

Death Note, de Tsugumi Ohba


Pelas exigências que estou usando pra recomendar as outras séries, eu não colocaria o Death Note por causa de sua quantidade imensa de textos, tanto em narrativa quanto diálogo (alguns balões são do tamanho da página!). Mas como na minha experiência pessoal já vi amigos que não tinham o mínimo gosto por leitura devorarem tudo, acredito que Death Note seja bom o suficiente pras pessoas baterem as dificuldades pra lerem. É uma das tramas policiais mais bem feitas, e o caderno da morte virou um grande ícone cultural. Quem nunca viu/leu Death Note? O L e o Kira são dois dos personagens mais cativantes já desenvolvidos, o antagonismo entre os dois é sem igual. É daquelas tramas como "100 Balas" em que o espectador não consegue evitar de se colocar no lugar do protagonista, só que é muito melhor do que 100 Balas. Muito melhor que muita coisa. Tem sido constantemente relançado no Brasil, a última versão, "Black Edition", ainda pode ser encontrada nas livrarias.


Reino do Amanhã, de Mark Waid

Evitei colocar estórias que fossem muito "de super-herói", mas abro exceção para "Reino do Amanhã", de Mark Waid e Alex Ross. É simplesmente muito bonito, e todo mundo que lê um gibi ilustrado por Alex Ross quer saber de mais. Se passa no futuro do Universo da DC, quase todos os heróis clássicos se aposentaram, com exceção do Batman e o Flash. Uma nova geração de heróis tenta tomar os seus lugares, mas eles apenas fingem serem heróis, na real só se importando de parecer com eles, tomando decisões irresponsáveis que colocam em risco toda a humanidade. Apesar dos personagens estarem mais velhos, bem avançados em suas linhas do tempo, a trama exige nenhum conhecimento prévio dos gibis de Batman, Superman e Mulher-Maravilha; sendo os temas usados com eles... apaixonantes. Foi republicado recentemente em uma imperdível coletânea capa dura. Há pouco tempo ainda dava pra achar em todo lugar, se ainda não leu, corre lá (em todo lugar).

Scott Pilgrim Contra O Mundo, de Bryan Lee O'Maley


Todo mundo ama essa porra (eu ainda mais que todo mundo). A insana estória de Scott Pilgrim transcreve muito bem a falta de preocupação e seriedade de um jovem adulto, ao mesmo tempo desesperado em aventura pela sua banda, seu entretenimento e uma garota irada e inalcançável. Nada é levado muito a sério, e o humor do canadense O'Maley é brilhante, nunca rejeitando influências de videogames, música, eventos sociais e diálogos entre jovens. A fórmula perfeita para que todos gostem. No Brasil as estórias foram publicadas nas livrarias em três volumes. Não morra sem conferir o/ Acho que já está bom, a partir daí você pode se aventurar por conta própria e também conferir as recomendações de outros caras pela Internet. É sério. Tá cheio de cara fazendo isso de graça por aí, eu tenho nada de original não, hehe. Flw!



Texto: Douglas Joker.

Comentários