Capitão Átomo “O deus que habita em mim…”



   Esta  é uma  dica de  leitura  da reformulação de um grande  herói  da  DC Comics  em os  NOVOS  52 cujos feitos  vão além dos níveis  subatômicos 




CAPITÃO ÁTOMO


  Possuindo vasto poder molecular através da energia nuclear, Capitão Átomo tem o potencial para ser um deus entre os homens  senhor de um imenso poder que lhe permite manipular o campo quântico e o próprio fluxo cronal a seu belo prazer.


São aqueles momentos em que ciência se confunde com magia. O surgimento de um ser como o Capitão Átomo pode ser interpretado como um evento aleatório do universo, uma singularidade, e portanto impossível de ser replicada… ou um ato de fé. Uma entidade com o poder de um deus, um messias… ou apenas um fenômeno natural tão corriqueiro quanto a destruição de uma estrela, liberando carbono, nitrogênio e outros minerais dos quais nós e quase tudo o que nos rodeia é composto. 

A cada edição, uma nova tragédia é causada, ainda que acidentalmente pelo Capitão Átomo, e para cada desastre, vemos o desespero dele em tentar redimir o feito, as vezes causando ainda mais estragos. Fica evidente o dilema de ser um “homem atômico”, constantemente com medo de queimar as pessoas a sua volta com um simples toque, ou emitir níveis perigosos de radiação que poderiam deixar uma cidade inteira doente… ou sofrendo toda sorte de mutações.




Ele é um personagem muito interessante. O herói desajustado que tenta fazer o bem, mas involuntariamente acaba destruindo quase tudo que toca. A verdade é que ele é uma poderosa bomba atômica consciente, com poderes capazes de converter matéria e realizar pequenos milagres, muito embora nenhum venha sem graves consequências. Outro problema é justamente essa possibilidade de alterar tão facilmente a realidade. 





Se ele conseguir controlar seu poder, vai fazer o que com ele? Curar o câncer e outras doenças das pessoas, uma a uma? Despoluir o planeta, acabar com a fome… ou apenas se tornar indiferente a tudo que se passa à sua volta? 












                Um herói sem limites. Mas a questão é: Será que ele vai se perder no processo?



CAPITÃO ÁTOMO teve 12 edições e foi encerrado na edição zero ,  facilmente poderia  ter o titulo mudado para DR . DR MANHATTAN .. Espero que   a  DC   volte com  ele com essa temática mais filosófica , com muito de Dr. Manhathan e algo de Miracleman , ambos personagens trabalhados de forma genial por Alan Moore. Tanto que tornaram-se icônicos .




Comentários